15.12.10

[...]

Existe um espaço entre o que eu sinto e o que somos que nunca será preenchido. Nem pela minha ausência. Nem pela sua delicadeza.

[...]